OVH i SnapComms - Case study
1,600,000 end-users worldwide

1 600 000

utilizadores repartidos pelo mundo

10,000,000 global connections per hour

10 000 000

ligações mundiais/hora

Medria Case study

40

servidores dedicados

O contexto

Com 1,5 milhões de utilizadores profissionais finais em 75 países, a empresa neozelandesa SnapComms revela uma grande ambição, desde o seu lançamento, há já dez anos. A SnapComms, que conta com 50 funcionários, oferece os seus serviços a empresas na área da saúde, das telecomunicações, da educação e das finanças.

Enquanto fornecedora de software de comunicação, as suas aplicações servem para contactar o pessoal de grandes organizações de modo a alertá-los quando acontece algo de importante. Mas nem todas as ferramentas da SnapComms passam pelos e-mails. Em caso de urgência, o sistema exibe a mensagem de alerta diretamente no ecrã dos funcionários, de modo a garantir que estes a veem imediatamente.

A empresa também desenvolve proteções de ecrã e menus pendentes para as atualizações de estado importantes. As suas outras aplicações oferecem várias formas de comunicar sem passar pelos e-mails e incluem ferramentas de sondagem aos funcionários.

Ainda que a sua aplicação funcione tanto localmente como na cloud, a SnapComms adotou uma abordagem “cloud-first” para as vendas feitas a novos clientes. Com o passar do tempo, o equipamento local podia apresentar problemas técnicos, enquanto a concentração de todos os esforços numa arquitetura baseada na cloud permite à empresa oferecer um serviço de qualidade internacional.

O desafio

Fornecer uma aplicação de elevado desempenho a uma carteira de clientes distribuída pelo mundo inteiro.

Em 2012, quando a SnapComms dava os primeiros passos, os serviços mundiais de cloud de alto desempenho eram bastante limitados. Portanto, a primeira geração de soluções da empresa não tinha sido criada para ser implementada numa plataforma de cloud, mas funcionava bem em máquinas dedicadas.

Tyrell Cooney, diretor-geral e diretor técnico (CTO) da SnapComms, explica que os picos de carga da empresa são muito diferentes dos da maioria das outras empresas. As clouds hyperscale estão mais orientadas para a gestão de cargas instantâneas.

“Se estiver a prever dois milhões de ligações por hora, pode aumentar temporariamente um ambiente cloud para as acomodar. Mas nós temos esse tipo de pico todos os dias do ano”, declara Tyrell Cooney.

“Precisávamos de uma potência que não estava disponível na AWS ou na Azure, mas um hardware dedicado podia dar-nos esse tipo de desempenho”, acrescenta. “A capacidade de consultar bases de dados por meio da potência CPU bruta era igualmente crucial, e tínhamos muitas ligações SSL (HTTPS) que precisavam de um elevado CPU e I/O para absorver o tráfico de entrada.”

Para aumentar ainda mais o desafio, nessa altura a maioria dos clientes da SnapComms encontrava-se nos Estados Unidos e não queria armazenar dados no seu país.

“Fornecemos uma ferramenta de comunicação interna. Portanto, detemos informações que ficam sujeitas à legislação do Patriot Act americano, e várias empresas tinham preocupações a esse respeito”, explica Tyrell Cooney. “Preferimos não armazenar os nossos dados em solo americano, e os nossos clientes europeus e americanos ficam satisfeitos que os dados fiquem armazenados no Canadá.”

A solução

Uma rede mundial de servidores dedicados trata grandes volumes de operações e permite um futuro mais ágil.

Em vez de restringir a sua aplicação a uma cloud virtualizada, a SnapComms recorreu à OVH para implementar uma cloud mundial de servidores dedicados. Hoje, a SnapComms está presente no Canadá, na União Europeia, no Reino Unido, na Austrália e em Singapura.

Tyrell Cooney congratulou-se pela facilidade de trabalhar com as ferramentas da OVH. Segundo ele, a aprendizagem não se revela tão difícil quanto com outros fornecedores de soluções cloud.

“Apreciámos muito a possibilidade de obter um servidor em dois minutos, ou dispor de um servidor dedicado pronto a funcionar em menos de uma hora, ao passo que isto costuma levar alguns dias com os outros fornecedores”, explica.

“Duas vezes por ano, avaliamos as outras ofertas de cloud, mas acabamos por recorrer sistematicamente à OVH, pois aquilo que obtemos pelo preço pago é imbatível em termos de variedade. E não é apenas uma questão de dinheiro: a evolução que podemos obter é igualmente única.”

Tyrell Cooney, CEO e CTO da SnapComms

“Se estiverem na categoria de servidores dedicados, podem mudar de escala com a rapidez e da forma que desejarem. É isto que faz a diferença. Duvido que alguém seja capaz de se lançar e conceber um ambiente a partir do zero tão rapidamente quanto nós noutra cloud.”

A SnapComms encontra hoje uma forte procura por parte de clientes que pretendem ver os seus serviços implementados numa semana. Assim, a empresa deve fazer prova de grande agilidade para responder a expectativas tão elevadas.

“Graças à OVH, estamos em condições de fornecer um ambiente completo dedicado”, explica Tyrell Cooney. Certas tecnologias, como o vRack, são tão fáceis de utilizar que as aplicamos em todos os nossos servidores dedicados e redes públicas, em qualquer ambiente.”

A tecnologia vRack da OVH permite à SnapComms ligar ou isolar os seus servidores dedicados, bem como as suas soluções Private e Public Cloud. Isto permite oferecer uma infraestrutura segura e evolutiva a nível mundial, que pode ser gerida como uma rede local privada.

Lionel Legros, diretor do ramo Ásia-Pacífico da OVH, explica que, através da infraestrutura mundial da OVH, os clientes da SnapComms podem beneficiar de serviços de mensagens de elevado desempenho alojados localmente. Estes últimos respeitam as regulamentações locais no que diz respeito aos dados.

“O novo datacenter da OVH em Sydney permite à SnapComms alcançar as suas ambições a nível global e oferecer aos seus clientes na Nova Zelândia e na Austrália o mesmo nível de desempenho e a mesma fiabilidade.”

Diagrama de implantação correspondente à infraestrutura criada

 

O resultado

Um ambiente ágil e flexível para uma entrega rápida das aplicações

A OVH permitiu que a SnapComms fornecesse serviços que precisam de uma enorme capacidade de computação, a uma carteira de clientes espalhados por todo o planeta. O futuro é promissor.

A empresa gere mais de 70 servidores (36 servidores dedicados e 36 instâncias Public Cloud, o que ascende a 30 TB de armazenamento) em 7 locais do mundo, para cerca de 300 mil ligações de clientes a cada dois minutos. Segundo Legros, os servidores dedicados da SnapComms oferecem o melhor desempenho por um preço acessível, enquanto a sua infraestrutura cloud lhe permite ter mais flexibilidade e um maior alcance relativamente aos recursos suplementares. Esta agilidade traduz-se num ambiente que permite uma inovação contínua.

Agora, a empresa volta a sua atenção para o Big Data, para a análise de dados e para a inteligência artificial, de forma a melhorar a gestão das informações dos clientes e o desenvolvimento dos seus produtos.

“A nossa solução cloud é ainda muito monolítica”, afirma Tyrell Cooney. “Temos entre 50 e 100 mil clientes finais por ambiente. Queremos convertê-los em micro serviços espalhados pelo mundo inteiro, de modo que cada aplicação seja um módulo ou uma parte da nossa rede.”

Ao abandonar ambientes monolíticos, os clientes poderão ligar-se a micro serviços regionais, ligados, eles próprios, a uma base de dados central em segundo plano.

“Será preciso muito trabalho para desenvolver estes serviços, mas sabemos que a rede internacional da OVH estará pronta para nos ajudar”, declara Tyrell Cooney.

“Com servidores dedicados, é possível mudar de escala com a rapidez e da forma que desejarem. É isto que faz a diferença. Duvido que alguém seja capaz de se lançar e conceber um ambiente a partir do zero tão rapidamente quanto nós noutra cloud.”

Tyrell Cooney, CEO e CTO da SnapComms